Mary Kay patrocinará evento sobre Crimes Contra Mulheres

A Mary Kay líder mundial em cosméticos no segmento de Venda Direta e líder empresarial na missão para acabar com a violência doméstica, anunciou seu patrocínio do 14ª Conferência anual sobre Crimes Contra Mulheres. 

Realizada em Dallas de 8 a 11 de abril, o evento é uma conferência que treina os participantes sobre as melhores práticas em relação à identificação, investigação e repressão de todos os crimes violentos contra as mulheres.

“Através da Fundação Mary Kay, a empresa, funcionários e empreendedoras, estão empenhadas em acabar com a violência doméstica”, disse Julia Simon, diretor legal e secretário corporativo da Mary Kay. “Nós nos esforçamos em educar o público sobre esta epidemia e parceria com defensores como a Conferência para fornecer ferramentas e recursos úteis ao público. ”

O evento oferece mais de 160 oficinas, apresentações de casos e aulas práticas de informática que são ministradas por especialistas locais e nacionais que investigam as complexidades dos crimes cometidos contra as mulheres. 

A conferência fornece ferramentas relevantes e criativas que os participantes podem utilizar imediatamente em suas profissões.

Além de patrocinar e apoiar a Conferência sobre Crimes Contra as Mulheres, a Fundação Mary Kay também se concentrou na prevenção e eliminação da violência doméstica por meio de programas como o  programa de subsídios da Fundação Mary Kay, que forneceu milhões de recursos para abrigos contra a violência doméstica. em todos os 50 estados. 

Até o momento, a Mary Kay e a Fundação Mary Kay doaram U$ 57 milhões para abrigos e programas que abordam a prevenção da violência doméstica, ao mesmo tempo em que aumentam a conscientização sobre o assunto.

Como parte da iniciativa Pink Changing Live da Mary Kay, a empresa de beleza global recentemente compartilhou os resultados de sua pesquisa anual “Truth About Abuse”, revelando que o movimento #MeToo provavelmente contribuiu para que mulheres jovens – e homens – se sentissem mais à vontade em reportar experiências de assédio. .

Deixe sua opinião