Veja o mundo pelos seus olhos

Você é daqueles que sempre mede o que vai fazer baseado na expectativa dos outros, botando o peso de suas decisões e ações baseado no que as pessoas vão pensar de você? Preocupado como eles vão te julgar?

Se você é um desses, você ainda vive pelos olhos dos outros e não pelos seus.

Dirigir a vida com os próprios olhos, significa não agir para atender as expectativas alheias, mas antes, as suas. É não se preocupar tanto com o que os outros pensam de você.

Na vida, suas ações serão sempre reflexo dos seus níveis de autoestima, do quanto você se sente merecedor de ser você mesmo.
A necessidade intrínseca de reconhecimento, de ser aceito no mundo, nos faz por vezes, considerarmos muito as opiniões alheias, abrindo mão de nossas escolhas genuínas.

Perdemos nossa naturalidade, que é o melhor em nós, para atendermos padrões sociais, nem sempre benéficos ou produtivos, por uma imposição quase que mercadológica.

Como resultado, vamos conduzindo a vida quase que de forma robótica, sem tempo para pensar sobre o que estamos escolhendo viver. Sobre o que queremos, verdadeiramente. Nesse contexto, geralmente buscamos responsabilizar alguém ou alguma coisa, por não conseguirmos atingir nossos objetivos. Isso é um erro estratégico básico e o mais comum deles.

Não devemos responsabilizar a ninguém pelo resultado de nossas vidas. O resultado da vida de cada um, deve ser responsabilidade de cada um.

Na medida em que colocamos nossas escolhas na mão do outro, delegamos a esse outro o nosso destino.

Quando nos responsabilizamos integralmente pelo resultado de nossas vidas, temos uma tendência a fazer sucesso mais rápido. O comando passa a ser nosso.

Quando você consegue ser você, ninguém te segura!

Todos nós temos um conhecimento interior e recursos escondidos dentro de nós, que, geralmente só emergem e são utilizados, quando somos colocados à prova.

Perceba que passamos por determinadas situações na vida, inesperadas, imprevisíveis, por vezes desconfortáveis, que depois de algum tempo, refletindo sobre elas, concluímos coisas do tipo: – Como consegui passar por aquela situação tão bem? – Como consegui fazer aquilo, daquela forma?

Por isso, devemos estimular as pessoas a conhecerem a si mesmas. A examinarem suas carências, suas exigências e seus ideais. Essa será a mais poderosa ferramenta que cada um poderá utilizar no sentido de se melhorar enquanto pessoa e enquanto profissional.

Lembre-se: sua vida é o que você tem de mais valioso e deve vir em primeiro lugar!

José Haddad é Palestrante, coach, mentor e escritor. Tem mais de 30 anos de experiência profissional, já tendo ocupado cargos executivos em grandes empresas, treinando e motivando profissionais

Deixe sua opinião

Veja Também

Como você pratica o auto-amor? A revista americana Sucess lançou o tema. E a Sucesso (Brasil) resolveu criar a campanha do Auto-Amor. Entendemos que o auto-amor é essencial para ...
O dinheiro pode mudar as pessoas? E qual a diferença entre o persistente e o teimoso?... Gilberto Suzuki publicou duas vitaminas de otimismo, (nome de seu site) que nós transcrevemos aqui nesta coluna. Grande honra contar com a colabora...