Tuter

Um novo ranking global, que mede o nível de educação financeira de 144 países, revelou que o Brasil está na 74ª posição, atrás de alguns dos países mais pobres do mundo como Madagascar, Togo e Zimbábue.

A pesquisa S&P Ratings Services Global Financial Literacy Survey (Pesquisa Global de Educação Financeira da divisão de ratings e pesquisas da Standard & Poor’s) foi baseada em entrevistas realizadas em 2014 com mais de 150 mil adultos.

Este é um dos mais extensos estudos já realizados sobre educação financeira no mundo. A pesquisa investigou se os entrevistados de cada país dominavam quatro conceitos financeiros básicos: aritmética, diversificação de risco, inflação e juros compostos.

Para medir o nível de conhecimento nesses tópicos, foram realizadas cinco perguntas cujas respostas são universais e independem da localidade – são questões que não abordam assuntos relacionados ao contexto socioeconômico de cada país, às taxas de juros cobradas em cada lugar ou aos mercados financeiros locais.

Os respondentes eram considerados educados financeiramente quando conseguiam responder corretamente ao menos três das cinco perguntas, desde que as respostas demonstrassem o domínio do entrevistado em ao menos três dos quatro conceitos financeiros básicos estudados.

No Brasil, apenas 35% dos entrevistados acertaram ao menos três dos quatro tópicos abordados. O país com a população mais educada financeiramente é a Noruega, onde 71% dos entrevistados passaram no teste. Em segundo lugar ficou a Dinamarca, com 71%, e em terceiro lugar a Suécia, com 71%.

O Iêmen ficou no último lugar do ranking, com apenas 13% dos entrevistados passando no teste. A Albânia ficou na penúltima posição, com 14%, e o Afeganistão ficou no antepenúltimo lugar, com 14%.

Os Estados Unidos, uma das nações mais ricas do mundo, ficaram no 14º lugar, com uma taxa de sucesso de 57% no teste.

O QUE OFERECEM
A Tuter oferece aos Associados, videoaulas, Treinamentos para desenvolvimento pessoal e workshops, aliados aos Planos de Previdência Privada (PGBL e VGBL) administrados por seguradoras conceituadas no mercado.

Pelo qual motivo fazer?

• Rentabilidade maior que na Poupança;

• Diversificação do Investimento;

• Complementação para a
Aposentadoria;

• Incentivo a educação Financeira

Deixe sua opinião