Turnover: até quando você vai aceitar este entra e sai de sua equipe e empresa?

Poucas empresas brasileiras, criam ações efetivas para reter empreendedores. Muitas inclusive, sequer administram o turnover, por achar que o entra e sai de empreendedores é normal e comum. Mas hoje em dia, não é bem assim.

Conquistar clientes no marketing tradicional, custa caro e leva tempo. É inadimissível o departamento de marketing de empresas tradicionais, investirem milhares e milhares de Reais em propaganda, promoção, marketing digital, treinamento da força de vendas, design, TI, entre tantos outros investimentos, para ganhar um cliente e simplesmente deixar ele ir para a concorrência.

Não faz o menor sentido, empresas e indústrias conquistarem clientes e sequer se relacionarem com eles para deixá-los feliz, apaixonado pela marca, pelo produto e com razões concretas para não trocar de empresa.

No marketing tradicional, não existe mais espaço para empresas que tratam clientes como número, sem sequer saber o nome deles, sem sequer conhecer a opinião deles sobre assuntos, o que gostam e o que não gostam em suas empresas e produtos.

O Marketing de Rede no Brasil, parece que ainda não saiu da casca do ovo porque pouquíssimas empresas fazem pesquisa qualitativas de opinião, pesquisas quantitativas, dinâmicas de grupo, ou tantas outras técnicas para conhecer, se relacionar e fidelizar seus empreendedores.

Tanto líderes quanto empresas, acham comum, o entra sai e um grande líder (não citaremos o nome) chegou a me dizer certa vez, que o MMN sempre foi assim e que turnover sempre vai existir.

Claro, que o turnover sempre vai existir em graus altissimos quando uma empresa continuar aceitando que seus líderes através de seus sistemas de treinamento (normalmente fraquissimos no Brasil) tentem reter empreendedores.

É mega comum no Brasil, empreendedores entrarem e saírem da empresa e seus executivos sequer saberem os motivos pelos quais as pessoas abandonam o barco.

Meus 33 anos de Marketing não aceitam isso.

Èsse turnover só é bom para empresas e líderes que se fundamentam no binário para sobreviver. Ou seja, enquanto tiver entrando gente, a roda gira, o dinheiro entra e todos ganham.

É uma visão simplista para quem está no topo do negócio, ganhando dinheiro com o entra e sai.

Quem não quer ter uma rede de empreendedores fidelizada?

O que você nobre amigo, empreendedor e executivo prefere? Uma rede onde pouquíssimas pessoas saem porque estão satisfeitas ou uma rede que sai gente toda hora?

Nem precisa responder não é mesmo?!

Enfim…é hora dos CEO’s e executivos, atentarem para o fato, que cada empreendedor que sai frustado com seus resultados, sai falando mal, insatisfeito e dessa forma arranhando a marca.

E cada empreendedor que deixa o negócio, desanima e frustra o patrocinador e linha ascendente.

Para diminuir o turnover, a empresa deve:

  1. Conhecer seu empreendedor;
  2. Se relacionar com ele;
  3. Identificar o nível de satisfação dele junto a empresa, produtos e negócio para agir e intervir de forma cirúrgica e estratégica;
  4. Não permitir que o sistema de treinamento fique sobre a responsabilidade e gestão de líderes, que por mais preparados para o dia a dia de patrocínio, não são especialistas de técnicas que irão motivar, qualificar, reter e blindar os empreendedores. Claro que grandes líderes CAPACITADOS podem e devem fazer o que lhes cabe, mas dentro do Sistema de Treinamento da empresa, que não deve se basear simplesmente nos oito, nove ou dez passos ou chaves para o sucesso.
  5. Criar campanhas efetivas de retenção;
  6. Criar campanhas efetivas para blindagem;
  7. Criar campanhas efetivas para Recuperação de inativos.

A Amway Brasil, por exemplo, lançou uma campanha onde cada empreendedor que está perto de completar três meses fora do negócio, ganha desconto de R$ 50,00 na compra de qualquer produto.

Claro que essa campanha isolada, não dará tanto retorno, mas como no Brasil nem isso as empresas fazem…

A campanha de recuperação de inativos, aliada a um programa de retenção, fará toda diferença para as empresas que  tiverem a visão e a competencia de fazer mais do que simplesmente colocar pessoas no negócio.

 

Claudio Di Lucca

É o CEO da revista Sucesso Network e também deste portal. Possui 30 anos de experiência na indústria de Venda Direta e MMN.

É tido como um dos melhores palestrantes do segmento, além de pesquisador e estudioso dos assuntos que regem o MMN.

Suas palestras estão fazendo enorme sucesso, criando crenças, destruindo as limitações de cada empreendedor,  motivando e fornecendo estratégias e sabedoria para empreendedores.

É o presidente da Abranetwork (Associação Brasileira de Network Marketing) que representa os interesses de mais de 5 milhões de pessoas que trabalham neste segmento no Brasil.

É um dos  maiores defensores de empresas responsáveis e empreendedores profissionais, motivo pelo qual, fundou a UNIVERSIDADE SUCESSO e a TV Sucesso.

 

Deixe sua opinião

Veja Também

Amakha e seus mini perfumes com preço popular cresce em todo país Desde quando a Amakha Paris entrou no mercado, lançando e inovando com miniperfumes concentrados (15ml) a preço popular, as empresas do segmento que v...
A Importância da Linha ascendente (Por Wanderley Lourenço) Para ter sucesso em marketing de rede você precisa escolher uma boa empresa, bem administrada, que tenha bons produtos e um bom plano de compensação. ...