Entrevista exclusiva com Pablo Paucar um dos maiores treinadores de MMN do mundo

Pablo Paucar é uma das maiores referencias mundiais em treinamento, qualificação e formação de pessoas e empreendedores de sucesso.

Com vasta experiência, Pablo é o guru de alguns dos maiores líderes de MMN do Brasil e do  mundo.

Leia essa entrevista maravilhoso com um dos mais respeitados mestres do empreendedorismo mundial.

Sion Meio

– Como você conheceu o MMN?                                                                                 

Eu conheci o marketing de rede em 1993, quando não existia nenhuma  companhia deste tipo no Equador. Na época, eu procurava oportunidades e eram utilizados muitos anúncios nos jornais.

Peguei um jornal e lá tinha um anúncio sobre uma empresa americana que estava chegando ao país e buscava por pessoas, mas sem explicar muito bem qual expertise eles precisavam.

Eu compareci por curiosidade e foi lá que eu conheci o meu mentor Dr. Eduardo Salazar, um médico mexicano que abriria um negócio no Equador. Mais tarde, ele se tornou meu amigo.

Esta foi a primeira vez que ouvi falar sobre o marketing de rede, que comissionava em diversos níveis e que tinha uma perspectiva de crescimento muito grande, por causa da rede, dando muita escala ao negócio.

– Você foi empreendedor?     

Eu considero que me tornei empreendedor aos 15 anos de idade, quando precisava de dinheiro para ir à praia e pegava papelão, jornais e revistas dos meus vizinhos e vendia por pesos. Era pouco, mas na época era o suficiente para ir num ônibus caindo aos pedaços numa praia próxima a minha cidade.

Depois, comecei a trabalhar vendendo queijos para os mesmos vizinhos, aos 17 anos de idade. Perguntei onde compravam e disse que eu poderia entregar queijos frescos por duas ou três vezes na semana invés de irem enfrentar filar nos supermercados. Consegui muitos clientes no meu bairro.

Além disso, levava iogurte para a escola e vendia aos meus amigos que estavam jogando futebol, dizendo que era mais saudável e prático do que entrar na fila da cantina para comprar refrigerante.

Meu pai tinha negócio próprio e eu tinha essa visão empreendedora desde cedo. Aos 15 anos, meus pais se separaram e minha mãe não conseguiu manter nosso padrão de vida. Por isso, comecei a pensar em opções para ganhar dinheiro.

– Você já prestou consultorias para algumas empresas? Quais?

 

Sim, já prestei consultorias para algumas empresas, mas não posso informar nomes e dar detalhes em razão de sigilo contratual pedido pelas mesmas.

– Quantas pessoas já assistiram os seus treinamentos e quantas mentorias já realizou?

Mais de 1 milhão de pessoas já escutaram meus áudios de mentalidade nos últimos 17 anos. Eu já subi em palcos que totalizam 17 mil pessoas e meus eventos próprios já treinaram mais de 5 mil pessoas nos últimos três anos.

– Como você vê o MMN no Brasil?

Eu vejo o marketing multinível no Brasil ainda muito imaturo e amador. Isso ocorre em razão de líderes que vendem o discurso do ‘Fique rico fácil e rápido’ e isso prejudica a nossa indústria, pois tira a credibilidade.

Quando eu decidi fazer este trabalho de treinamento neutro, eu quis justamente aumentar o nível de entendimento e maturidade do negócio. Se compararmos o mercado brasileiro com o americano, existe mais de uma década de distância em evolução.

Nos países desenvolvidos, Europa e Estados Unidos, as empresas de MMN focam no consumo e venda do produto, já no Brasil o foco é o recrutamento. Isso também é muito importante, mas não pode ser a base do negócio.

O recrutamento tem uma curva, onde muita gente entra, mas se não tiver treinamento, conscientização, filosofia, identidade, um modelo sustentável de consumo/venda a rede começa a cair.

O que ainda falta no Brasil é uma maior promoção da venda do produto, da pessoa ser um fiel embaixador da marca. Não basta cadastrar mais gente, é necessário entender o produto que se tem na mão.

– Muitas empresas brasileiras possuem gestão familiar. Qual a sua visão ou experiência com elas?

Não vejo problemas com a gestão familiar das empresas. Elas costumam ter mais identidade, mais cultura, tem uma história por trás. E o marketing de rede, muitas vezes, é fundamentado na história do fundador e o motivo pelo qual a empresa surgiu.

Isso gera uma conexão com as pessoas que estão chegando e conhecendo seu presidente, suas origens, para onde estão caminhando e qual a sua visão. É muito bom quando as empresas possuem histórias para contas.

– Como vê os empreendedores brasileiros?

Eu vejo os empreendedores brasileiros com muitos desafios, pois está passando por diversas transições. Fazer negócio no Brasil não é considerado fácil por muitos deles, sendo preciso ter um nível de preparo, atitude, postura, controle emocional muito bons.

É necessário ter uma mentalidade correta, pois tudo o que acontece a nossa volta é tão desafiador que os fracos desistem fácil e ficam somente os fortes.

No marketing de rede, o maior desafio é a rejeição, o medo de não saber o que falar para as pessoas na abordagem e sofrem preconceito.

Essas são as coisas que precisam ser trabalhadas nas cabeças das pessoas e uma vez que esses obstáculos são superados tudo fica mais fácil: com script semanal, trabalho de vendas, sem medo à rejeição, fazendo um bom fechamento e acompanhando os novos profissionais que estão ingressando na rede.

– O que pensa sobre os sistemas de treinamentos que são praticados no Brasil?

Os sistemas de treinamentos que são praticados no Brasil deixam alguns vácuos. Um exemplo são as pessoas do corporativo das empresas, que não integram estes treinamentos e não entendem qual é o trabalho de quem está na linha frente.

Talvez, a maioria nunca tenha cadastrado uma pessoa ou vendido um produto, dificultando a criação do conteúdo destes treinamentos. Além disso, os consultores devem ganhar dinheiro somente com a rede e não com treinamentos.

É como se fossem dois negócios diferentes.  Há regras para os treinamentos, valores a serem cobrados nas reuniões e determinadas características para ser sustentável. Já a rede deve dar as informações básicas para todos que nela entram.

Quando um líder recebe dinheiro pela rede e ainda quer receber pelo treinamento é como um pai que cobra do filho pela educação que lhe dá. Um dos acordos possíveis é que a empresa contrate profissionais para treinar as equipes de consultores e líderes.

 

– Na sua opinião, os treinamentos devem ser responsabilidade dos líderes ou das empresas?

Os treinamentos devem ser responsabilidade dos líderes, e de terceiros, com dinheiro administrado pela empresa.

– No seu dia a dia, qual a maior dificuldade que os empreendedores enfrentam?

Eu vejo que a maior dificuldade que os empreendedores enfrentam é eles saberem exatamente o que fazer, pois acredito que o empreendedor se forma de três maneiras: pela animação, pela inspiração e pela informação.

Animação é quando um consultor viaja para ir num evento regado a animação, mas quando voltam para casa desistem por não saber o que fazer. A inspiração ocorre pelas histórias de quem saiu da pobreza e hoje está rico, fazendo com que os consultores resistam por um tempo, mas depois desistem por não deslancharem.

Assim como em outras profissões, a pessoa precisa receber as informações necessárias, a direção, na teoria e na pratica, para ter sucesso em uma verdadeira duplicação de líderes. Não é fácil, mas eu acredito muito no poder da educação e da motivação.

– Claro que você gosta de todas as suas palestras e treinamentos, mas qual é a que mais te deixa feliz?

Sim, eu gosto de todas as palestras e treinamentos que eu faço, até porque falam de diversos assuntos, como vendas, recrutamento, liderança, comunicação, persuasão, promoção, finanças etc.

Mas a que eu mais gosto é a de Mentalidade, mesmo nome do meu livro. A diferença que vemos numa pessoa que não tinha a mentalidade certa e faz os ajustes necessários, muda o seu modelo mental, é impressionante.

A vida se transforma de um jeito inspirador, pois esta pessoa adota uma nova disciplina, um novo olhar sobre o seu mundo, e isso faz toda a diferença. Quando você muda o seu mundo interior, automaticamente, tudo ao seu redor se transforma também.

– Os brasileiros possuem muitas crenças limitantes. Como podem superar essas crenças?

Não somente os brasileiros, mas na América Latina como um todo, as pessoas possuem crenças limitantes quanto ao sucesso, riqueza, prosperidade, autoestima baixa, em relação ao país. Preferem culpar os preços, os impostos, o dólar e possuem essa mentalidade de vítima, que a sua vida não progride porque tudo a sua volta conspira para ele se dar mal.

Esse tipo de pensamento é como um espiral que só te leva para baixo, nunca para o sucesso. Quando você quebra as crenças limitantes, também começa a enxergar a vida de outro jeito e se liberta destes padrões mentais ruins.

É necessário passar por um processo de autoconhecimento, questionar, frequentar ambientes diferentes, fazer coisas novas, fazer o que as pessoas a sua volta não fizeram e por isso não começaram a pensar de modo otimista.

– É possível alterar o padrão mental das pessoas? Como?

Sim, é possível alterar o padrão mental das pessoas. O primeiro passo é limpar o que foi inserido anteriormente, substituir os arquivos que estão defasados. Para isso é necessário encontrar informações novas e boas, com embasamento, de boa fonte como em livros, cursos, eventos, e até mesmo com o contato com pessoas que já chegaram ao sucesso.

Um bom exemplo é uma pessoa que deseja emagrecer: ela deve andar com pessoas magras para entender os hábitos alimentares e um estilo de vida saudável permanente. O padrão mental mostra de maneira automática o que as pessoas pensam.

– Como é possível mudar a realidade individual que as pessoas possuem?

É possível mudar a realidade individual de uma pessoa, porque isso está relacionado a realidade mental. Tudo aquilo que a mente é capaz de imaginar, ela também é capaz de conquistar.

Todos os dias, as pessoas colocam uma ideia na cabeça e isso possui uma vibração. É esta mesma vibração que se conecta com a realidade, materializando seus pensamentos, sendo esta vibração positiva ou negativa.

O que não podemos é achar que primeiro vem a promoção no trabalho para depois vir a felicidade e o dinheiro. Resultados bons partem de boas ações diárias. Não dá para modificar o fruto quando já está no galho da árvore, é necessário plantar uma nova semente.

Tudo o que colhemos são resultados dos frutos que plantamos, e dessa maneira podemos mudar a realidade individual.

– Quais as principais habilidades que o empreendedor deve ter para obter o sucesso desejado?

A primeira habilidade que o empreendedor deve ter para obter sucesso, principalmente, na nossa indústria é a de vendas. Isso porque a venda tem a ver com a desenvoltura de você colocar na mente do outro quais os benefícios do seu produto ou serviço.

Depois, vem a capacidade de saber se comunicar, que não engloba somente palavras, mas possui uma série de itens. O bom comunicador tem controle sobre a sua postura corporal, a velocidade da sua fala, seu entusiasmo, seu conteúdo e seu vocabulário.

A terceira principal habilidade é a liderança. Hoje em dia, o mundo precisa de mais pessoas que inspirem, que saibam influenciar e persuadir. Quem consegue se tornar um líder com estas características chegam ao sucesso desejado.

– Por que desenvolver o curso “As 7 atitudes para emagrecer”? Foi para a Herbalife?

Eu não possuo este curso. Eu apenas falo sobre estilo de vida saudável, porque acredito que saúde tem a ver com sucesso. Para mim, não adianta ser um homem bem-sucedido e rico com a saúde debilitada e baixa expectativa de vida.

– Para quem está começando no MMN, poderia dar 10 dias exclusivas?

  1. Mude a sua mentalidade;
  2. Seja disciplinado;
  3. Tenha metas claras;
  4. Aprenda a vender;
  5. Seja persistente;
  6. Seja corajoso;
  7. Nunca pare de melhorar;
  8. Encontre motivos para ser grato todos os dias;
  9. Seja exemplo para a sua rede; e
  10. Se aconselhe com bons mentores.

– Você já é tido como um dos melhores treinadores do país. O que mais deseja?

Hoje, eu busco apenas continuar divulgando os princípios que fizeram a diferença na minha vida e podem fazer na vida das pessoas que entram nesta indústria.  Busco uma “plataforma” que expanda minha mensagem.

Empresas sérias que repliquem esses conteúdos de treinamento nas suas redes para formar uma geração madura e forte de novos líderes para o Brasil.

Que nossa indústria seja respeitada e que possamos aumentar a credibilidade do nosso modelo de negócios. Busco ser esse instrumento de mudança e evolução nos seres-humanos que têm contato com minhas mensagens.

– Fale um pouco sobre seus treinamentos…

Eu tenho conteúdo de treinamento na forma de uma esteira de profundidade, proximidade comigo e preço. Sendo:

Livro Mentalidade; Áudios Semana da Mentalidade; Áudios Mentalidade 2.0; Vídeos Semana da Mentalidade; Vídeos Mestrado do Sucesso (12 módulos); Eventos ao vivo: Summit, Nextlevel, Mentoria e Imersão.

O livro Mentalidade pode ser lido por qualquer pessoa, é de fácil entendimento e prende o leitor.

Considero o áudio uma ferramenta poderosa para treinamentos, porque a repetição é uma ótima maneira de aprendizagem e auxilia na mudança de comportamento.

Os vídeos proporcionam um contato mais próximo, com conteúdo mais abrangente e relevante, além dos elementos visuais que facilitam a compreensão.

Os eventos ao vivo dão a oportunidade de network, além da energia poderosa dos contatos.

Já a mentoria e a imersão são grupos pequenos, onde trabalhamos com a exclusividade, que recebem acompanhamento personalizado, instruções e direcionamentos estratégicos para grupos mais seletos.

– Mande uma mensagem para os leitores da Revista Sucesso

Minha mensagem para os leitores da Revista Sucesso é que não percam nenhum exemplar publicado, pois a revista traz conteúdo relevante, atual, poderosos, e que fazem parte da indústria do MMN.

Costumo dizer que é necessário ler os três livros mais importantes da sua indústria, ir aos três eventos mais importantes, e ter três mentores para seguir.

Se eu pudesse dar dicas de conteúdo relevante, um deles seria a Revista Sucesso, especializada em MMN.

Sion Meio