As mulheres que trabalham pela Lei do MMN nos EUA

Estamos publicando 07 matérias sobre o que pensam as 20 mulheres mais influentes do MMN dos EUA.

Agora, vamos falar sobre o papel delas nas vendas diretas. Além de supervisionar seus funcionários, representantes independentes e base de clientes, as executivas modernas são as vozes do próprio modelo de negócios.

Quase 165 anos após a criação da primeira empresa de venda direta nos Estados Unidos, Southwestern, e, embora pelo menos 10 empresas de vendas diretas dos EUA sejam atualmente marcas globais de bilhões de dólares, o canal continua a ser atormentado por equívocos de seu modelo de negócios.

Ainda existem muitos motivos que fazem  com que pessoas desconfiem do segmento e do modelo de negócio.

A Associação de Venda Direta dos EUA, exige que todas as empresas associadas adotem o Código de Ética da DSA, um código de conduta para o segmento.

O Código descreve os comportamentos que vão desde o cumprimento de todas as leis pertinentes, até o esclarecimento de medidas específicas.

Cindy Monroe, fundadora e CEO da Thirty-One Gifts, uma marca de bolsas e acessórios, acredita que proteger os consumidores deve começar com as próprias empresas.
“Para as empresas que lutam para se alinhar com o Código de Ética da DSA, diz Monroe, “a legislação industrial pode ajudar a educar e conscientizar as melhores.

Legislação Federal

No entanto, no nível federal, não existe legislação que defina um esquema de pirâmide, mas cada estado toma suas próprias medidas. É por isso que,em agosto, Marsha Blackburn e Marc Veasey apresentaram o Plano Anti-Pirâmide de 2017.

Esta lei bipartidária definirá melhor a diferença entre uma oportunidade comercial legítima e uma ilegítima.

A legislação Federal é a melhor maneira de garantir um compromisso com práticas comerciais éticas, protegendo os consumidores.

Para Traci Lynn Burton, fundadora e CEO da Traci Lynn Jewelry, a resposta é sim. “Precisamos apoiar e batalhar para obter o projeto de lei porque a Venda Direta precisa ser aprovada. “Nós temos que envolver todo mundo, todas partes nisso.

Angela Loehr Chrysler, presidente e CEO da empresa Team National, diz que é preciso treinamento, compromisso e dedicação das empresas de vendas diretas. “Como uma indústria, precisamos nos unificar, para proteger os consumidores e nossos representantes independentes”, diz ela.

Burton, que é vice-presidente do Conselho de Administração da DSA, também observa que o próprio DSA está atualmente examinando as políticas de execução. “Não é sempre imposição de” você é o cara mau”; É “deixe-nos ajudá-lo a corrigi-lo para que você seja o bom cara”, diz ela. “Nós podemos ajudar com medidas corretivas antes de entrar em execução”.

A reputação é tudo

A educação de representantes independentes, consumidores e, mais importante, de vendas diretas de vigilância é uma parte fundamental da proteção da reputação do canal.

“Educar nossos consumidores e consultores de vendas sobre as diferenças em uma empresa de venda direta saudável e ética é nossa obrigação.

“Quando algo acontece, todos sabem sobre isso”, explica Burton. “Isso chama a atenção, e queima a atividade e reforça a visão das pessoas com o pensamento “Eu sabia que era um esquema de pirâmide o tempo todo”.

Cada empresa precisa se posicionar – não apenas com os executivos, mas com o campo para garantir que os padrões sejam devidamente mantidos. Isso inclui uma análise difícil dos incentivos, e salientando que a empresa representa a integridade.

“Precisamos garantir que estamos sempre incentivando o comportamento correto na rede. É assim que nossa reputação permanece intacta, é assim que crescemos nossa reputação”, acrescenta. “Se podemos garantir que a nossa voz seja sempre ouvida, mesmo no nível da base, então as pessoas vão dizer” você sabe que, sempre há uma maçã ruim lá fora, mas no conjunto, eu sei que minha empresa é uma maça boa.

Retratando o canal

Chrysler diz acreditar que é importante que os executivos modelem, ensinem e liderem comportamentos éticos e continuem a compartilhar as contribuições positivas que as empresas de venda direta e os programas fazem à economia e ao empreendedorismo em geral.

“A venda direta é valiosa demais, para os EUA e excelente para todas as pessoas de qualquer idade e região.

Precisamos compartilhar com frequência o que fazemos e a diferença que fazemos”, diz Chrysler.

Ela também acrescenta que as empresas de vendas diretas precisam apoiar os esforços da DSA e da Direct Selling Education Foundation (DSEF) em compartilhar as mensagens positivas e as informações sobre a venda direta.

Atualmente, a DSEF têm parceria com professores para ensinar o empreendedorismo de venda direta em suas salas de aula.

“Nós podemos ajudar os professores a ensinar aspectos positivos da venda direta em uma idade muito jovem e impressionável”, diz Chrysler. “Eu fiz uma pakestea na Universidade de Greensboro, na Carolina do Sul.

Foi uma ótima experiência e as crianças da faculdade fizeram grandes perguntas sobre nossas oportunidades, nossos produtos e como eles podem participar”.

“Educar nossos consumidores e consultores de vendas sobre as diferenças de uma empresa etica e saudável, vai valorizar nossa atividade.

Burton também acredita que empresas e organizações podem ter impactos significativos na imagem do segmento, compartilhando as oportunidades de venda direta para as gerações mais novas de mulheres.

Enquanto isso, ela continuará trabalhando para ver a legislação bipartidária empurrada pelo Congresso.

Deixe sua opinião

Veja Também

A impressionante rastreabilidade dos produtos Amway Da fazenda à garrafa, os suplementos passam pelos testes mais rigorosos disponíveis. Quando você coloca algo em seu corpo, você quer saber que é se...
Chega no Brasil, Marketing Multinivel de Parque Aquático O Grupo Sion possui 10 anos de mercado, mais de 20 empreendimentos concluídos e 30 mil associados em mais de 13 países onde atua. E pela primeira v...